Notícias da Igreja

Vaticano vai ganhar estátua de Nossa Senhora Aparecida

Vaticano vai ganhar estátua de Nossa Senhora Aparecida

16 de agosto de 2016


Vaticano vai ganhar estátua de Nossa Senhora Aparecida

No próximo dia 3 de setembro será inaugurado nos Jardins do Vaticano um monumento em homenagem a Nossa Senhora Aparecida.

A iniciativa é da Arquidiocese de Aparecida e da Embaixada do Brasil junto à Santa Sé, como explicou à Rádio Vaticano o Embaixador Denis de Souza Pinto.

“No dia 3 de setembro, às 9h30 será a bênção oficial da imagem de Nossa Senhora Aparecida que será inaugurada nos Jardins do Vaticano. Vai ser um momento muito importante porque nós, brasileiros, não tínhamos a imagem de Nossa Senhora Aparecida nos Jardins do Vaticano enquanto outros países têm as suas padroeiras nos Jardins. É uma iniciativa da Embaixada do Brasil junto à Santa Sé e da Arquidiocese de Aparecida e estamos, conjuntamente, realizando este evento”.

A obra

“É uma imagem muito bonita que foi desenhada por um artista brasileiro. É uma barca onde estão a figura de três pescadores e, saindo desta barca, uma rede feita de peixes. Em cima da rede tem a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Um pouco, simbolicamente, o que foi a aparição de Nossa Senhora, que foram pescadores que recolheram a imagem do fundo do Rio Paraíba. Uma imagem em bronze: não a vi, vi só uma fotografia do projeto, mas acredito que será muito bonita”.

Fonte: Rádio Vaticano

Vaticano vai ganhar estátua de Nossa Senhora Aparecida

Compartilhe

A diplomacia da Santa Sé nas Nações Unidas

Por dentro da diplomacia da Santa Sé nas Nações Unidas
Papa Francisco discursa na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, aos 25 de setembro de 2015, por ocasião da Viagem Apostólica aos Estados Unidos realizada entre os dias 19 e 28 do mesmo ano. Imagem: L’Osservatore Romano (link na imagem)

12 de agosto de 2016


Por dentro da diplomacia da Santa Sé nas Nações Unidas

Nova Iorque (RV) – A convite do Observador Permanente da Santa Sé junto às Nações Unidas em Nova Iorque, Arcebispo Bernardito Auza, uma delegação com mais de 100 integrantes entre bispos, sacerdotes e leigos da província de Bohol, nas Filipinas, visitou a sede da ONU no final de julho para conhecer o trabalho da missão diplomática vaticana.

Os membros da Missão permanente explicaram a dinâmica dos trabalhos da Santa Sé e também da ONU, assim como as relações entre as duas instituições. Dom Auza, que é originário da província de Bohol, moderou a conferência.

“A Santa Sé não representa somente o Papa, mas toda a Igreja católica”, afirmou o arcebispo.

Atualmente, a Santa Sé mantém relações diplomáticas com 180 países. De acordo com o site da Missão permanente, a “Santa Sé tem, por escolha própria, o status de Observador Permanente junto à ONU e não de Estado-membro. Isso se deve, antes de tudo, ao desejo da Santa Sé em manter neutralidade absoluta diante de problemáticas políticas específicas”. A Santa Sé é Observador Permanente junto às Nações Unidas desde 6 de abril de 1964.

Visitas dos Papas

Ao longo dos 70 anos das Nações Unidas, o Palácio de Vidro recebeu cinco visitas de um Pontífice. A última de Francisco, em setembro de 2015, quando a bandeira da Santa Sé foi hasteada pela 1ª vez junto àquelas dos Estados-membros.

Padre Roger Landry, responsável por eventos especiais na missão, disse que os Pontífices “sempre expressaram estima pelas Nações Unidas como uma instituição necessária”.

“E, ao mesmo tempo, eles disseram também que, à semelhança da Igreja, é uma instituição, é uma instituição que perenemente necessita de reformas”, acrescentou Landry, para afirmar:

“A Santa Sé procura trazer uma perspectiva influenciada pela luz do Evangelho e da experiência humanitária de 2 mil anos da Igreja para o debate internacional. Respeitar a dignidade de toda a vida humana é sempre uma prioridade porque a dignidade está regularmente sob ataque”, concluiu.

Fonte: Rádio Vaticano

Compartilhe

Jesus nosso salvador

Jesus nosso salvador
Papa Francisco encontrou fiéis hoje na Audiência Geral na sala Paulo VI

Jesus nosso salvador

10 de agosto de 2016


Papa: Jesus, verdadeira Porta que nos leva à salvação

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa encontrou milhares de peregrinos e fiéis, provenientes de diversas parte da Itália e do mundo, para a tradicional Audiência semanal nesta quarta-feira (10/08), na Sala Paulo VI.

Em sua catequese, Francisco partiu da passagem evangélica da “ressurreição de um jovem”. Trata-se de um milagre realmente grandioso. Porém, o ponto central desta narração não é o “milagre”, mas a ternura de Jesus com a mãe do jovem.

A misericórdia – disse o Papa – se apresenta aqui como uma grande compaixão de Jesus pela mulher, que havia perdido seu marido e, agora, acompanhava seu único filho ao cemitério. Esta grande dor de uma mãe comoveu Jesus, a ponto de realizar o milagre da ressurreição de seu filho.

Ao iniciar este episódio, recorda Francisco, o evangelista Lucas descreve alguns particulares: à porta da cidadezinha de Naim encontram-se dois grupos numerosos, que provêm de direções opostas e não têm nada em comum.

Dor

Por sua vez, Jesus, acompanhado dos seus discípulos e de uma grande multidão, está para entrar na cidadezinha e se depara com o enterro de um jovem, com uma mãe viúva e muita gente. Ao ver a mulher, Jesus sentiu uma grande compaixão e, com uma grande misericórdia, tocou o caixão e enfrentou a morte. E o Papa ponderou:

“Durante este Jubileu seria bom que, ao passar pela Porta Santa, a ‘Porta da Misericórdia’, os peregrinos se recordassem deste episódio do Evangelho. Quando Jesus viu aquela mulher em lágrimas, ele entrou em seu coração. Ao passar pela Porta Santa cada uma leva a própria vida, com suas alegrias e sofrimentos, projetos e falências, dúvidas e temores, para apresentá-la à misericórdia divina”.

Além do sofrimento

Devemos estar cientes, acrescentou o Pontífice, que na Porta Santa o Senhor se aproxima de cada um de nós para oferecer a sua poderosa palavra consoladora: “Não chore”:

“Esta é a Porta do encontro entre a dor da humanidade e a compaixão de Deus. Ao passar pela Porta Santa realizamos a nossa peregrinação no âmbito da misericórdia de Deus, que hoje repete a nós, como fez com o jovem defunto: ‘Levante-se’. A palavra poderosa de Jesus realiza em nós a passagem da morte para a vida, nos faz reviver, nos dá esperança, fortalece os corações e nos leva para além do sofrimento e da morte”.

Porta

Em relação ao episódio, Jesus restitui o filho à sua mãe. Assim, ela se torna mãe pela segunda vez. Mãe e filho experimentam a misericórdia concreta do Senhor. Ele vai ao encontro do seu povo, a humanidade. Ele é a verdadeira Porta que nos conduz à salvação e nos restitui à vida nova. A sua Misericórdia nos conduz às obras de misericórdia.

Ao término da sua catequese semanal, o Papa passou a cumprimentar os diversos grupos de peregrinos em algumas línguas. Eis a saudação que fez em português:

Saudação em português

“Dirijo uma saudação cordial aos peregrinos de língua portuguesa, em particular aos fiéis de Portugal e do Brasil. Queridos amigos, a experiência da compaixão misericordiosa de Deus nos deve impelir a levar os outros ao encontro com Jesus, que espera cada homem e cada mulher nas diversas Portas da Misericórdia espalhadas por todas as Igrejas particulares do mundo. Que Deus os abençoe!”

Antes de conceder a sua Bênção Apostólica, Francisco dirigiu uma saudação particular a algumas Religiosas, que estão realizando seus Capítulos Gerais, e à Ordem dos Padres Pregadores ou Dominicanos pelo oitavo centenário de sua fundação por São Domingos de Gusmão.

Por fim, o Santo Padre concedeu a todos a sua Bênção Apostólica!

Assista abaixo a Audiência Geral de hoje com o Papa Francisco:

Fonte: Rádio Vaticano

Jesus nosso salvador

Compartilhe

Papa Francisco diz que gostaria de visitar tribo na Amazônia

Papa Francisco diz que gostaria de visitar tribo na Amazônia

09 de agosto de 2016


Cidade do Vaticano (RV) Neste 9 de agosto, Dia Internacional dos Povos Indígenas, o Papa Francisco lançou uma mensagem no Twitter, pedindo que os “povos indígenas, ameaçados na sua identidade e própria existência, sejam respeitados”.

Em 27 de julho de 2013, durante a Jornada Mundial da Juventude, o Papa encontrou alguns representantes dos índios pataxós, sem contudo falar diretamente às comunidades indígenas.

Intenção do Papa

Mas no último dia 16 de julho, o bispo de Itaiatuba, no Pará, Dom Wilmar Santin recebeu uma carta de Francisco em resposta ao convite para visitar a região do Rio Tapajós.

“Estou consciente do sofrimento e marginalização”, escreveu Francisco ao afirmar conhecer de perto a situação dos povos indígenas brasileiros.

“E, por todos estes motivos, gostaria de poder realizar uma visita ao coração da Amazônia”, concluiu Francisco, pedindo que se reze por esta intenção.

Fonte: Rádio Vaticano

Papa Francisco diz que gostaria de visitar tribo na Amazônia

Compartilhe

Três novos padres ordenados em campo de refugiados no Iraque

Três novos padres ordenados em campo de refugiados no Iraque

08 de agosto de 2016


Irbil (RV) – O Arcebispo sírio-católico de Mossul, Kirkuk e Curdistão no Iraque, Dom Yohanno Petros Moshe, ordenou na última sexta-feira, 5 de agosto, 3 novos sacerdotes em um campo de refugiados em Irbil.

Um deles é Padre Roni Salim Momika, para quem o evento é um grande “encorajamento de alegria e esperança para a comunidade em que serve”. Com ele, na igreja pré-fabricada no campo de refugiados Aishty 2, foram ordenados sacerdotes os diáconos Emad e Petros.

Os 5.500 cristãos que moram neste campo foram forçados a fugir de Qaraqosh em agosto de 2014, com a chegada dos homens do Estado Islâmico que a invadiram e destruíram.

Dia triste agora ficou mais feliz

O recém-ordenado sacerdote explicou que este sábado, 6 de agosto, foram lembrados os dois anos do evento, mas que graças à providência divina, agora esta data será recordada também com alegria.

“Este dia, antes era um dia ruim porque nós nos tornamos refugiados e o ISIS ocupou Qaraqosh, porém agora se transformou em algo de bom com a nossa ordenação… algo que dá esperança à nossa gente”.

Padre Roni afirma que quer dar aos cristãos “força, esperança e coragem para seguirem suas vidas e estar com os pobres e os que sofrem”. Na essência, conclui, “nossa missão é levar Cristo às pessoas”.

Fonte: Rádio Vaticano

Três novos padres ordenados em campo de refugiados no Iraque

Compartilhe

O mundo precisa de perdão

O mundo precisa de perdão

05 de agosto de 2016


Nunca renunciemos a «ser sinais humildes de perdão e instrumentos de misericórdia», porque «demasiadas pessoas vivem fechadas no rancor e conservam ódio, arruinando a própria vida e a dos outros em vez de encontrar a alegria da serenidade e da paz». Repetindo que o mundo de hoje «precisa de perdão», o Papa confiou à intercessão de são Francisco esta invocação durante a visita à Porciúncula em Assis realizada na tarde de quinta-feira 4 de agosto.

O mundo precisa de perdãoNa comemoração do oitavo centenário do Perdão de Assis, o Pontífice foi à basílica de Santa Maria dos Anjos ali permanecendo três horas durante as quais, em longa oração silenciosa na Porciúncula, lugar do qual a indulgência invocada por são Francisco ainda hoje continua a «gerar paraíso». Depois de ter proposto uma meditação aos fiéis presentes na basílica, ouviu a confissão de 19 pessoas, saudou os bispos, os superiores-gerais das ordens franciscanas e – evento particularmente significativo à luz de quanto acontece nestes dias – Abdel Qader Mohd, imã de Perúsia. Por fim, Francisco encontrou-se com dez religiosos doentes, com os assistentes, na enfermaria do adjacente convento dos frades menores.

Acrescentando como de costume considerações pessoais improvisadas ao texto escrito da meditação sobre o trecho evangélico de Mateus (18, 21-35), a conhecida parábola do servo sem piedade. Francisco imediatamente libertou o campo de equívocos dizendo-se consciente do facto que «é difícil» perdoar. «Quanto nos custa perdoar os outros! Pensemos um pouco nisto» exortou. De resto, o próprio lugar da Porciúncula, onde «tudo fala de perdão» – observou o Pontífice – oferece infinitos pontos de reflexão sobre «o grande dom» oferecido pelo Senhor aos homens, ensinando-lhes «a perdoar ou, pelo menos, a ter a vontade de perdoar». A tal propósito Francisco não tem dúvidas: «Não há ninguém entre nós, aqui, que não tenha sido perdoado», esclareceu, exortando a pensar em silêncio nas «coisas desagradáveis que fizemos» e na «maneira que o Senhor nos perdoou». Consequentemente «como Deus nos perdoa, assim também devemos perdoar a quem nos faz mal. É a carícia do perdão. O coração perdoa. O coração que perdoa, acaricia». Exatamente ao contrário da reação humana que habitualmente se manifesta com um: «tu me pagarás!».

Outro elemento de reflexão contido na parábola e evidenciado pelo Pontífice é a «paciência de Deus», que se manifesta sobretudo no confessionário. «Somos cheios de defeitos – reconheceu Francisco – e cometemos com frequência os mesmos pecados. No entanto, Deus nunca se cansa de oferecer o seu perdão cada vez que o pedimos». Trata-se de «um perdão pleno, total, com o qual nos oferece a certeza de que, não obstante possamos cometer de novo os mesmos pecados, Ele tem piedade de nós e nunca deixa de nos amar». Com efeito, o seu perdão «não conhece limites; vai além de toda a nossa imaginação e alcança quantos, no íntimo do coração, reconhecem que erraram e desejam voltar para Ele».

Certamente, reconheceu o Pontífice, «quando estamos em dívida com os outros, pretendemos a misericórdia; ao contrário se estamos em crédito, invocamos a justiça. Todos fazemos assim». Mas, advertiu, não deve ser «esta a reação do discípulo de Cristo e não pode ser este o estilo de vida dos cristãos. Jesus ensina-nos a perdoar e a fazê-lo sem limites».

E dado «oferecer o testemunho da misericórdia no mundo de hoje é uma tarefa à qual ninguém pode renunciar», Francisco convidou os frades e os bispos presentes «a ir aos confessionários e ficar à disposição do perdão», assim como ele mesmo fez, permanecendo ali cerca de uma hora e confessando um frade franciscano dois sacerdotes, quatro escoteiros, uma senhora em cadeira de rodas e onze voluntários do serviço da basílica de Santa Maria dos Anjos.

Fonte: L’Osservatore Romano

Leia na íntegra a homilia do Santo Padre clicando >aqui<

Compartilhe